premio-tacaruna-mulher-completa-20-anos

Prêmio Tacaruna Mulher completa 20 anos

Tradicional prêmio congrega muitos nomes da sociedade para reconhecer a atuação profissional de mulheres pernambucanas em suas respectivas áreas 

Através do trabalho muitas mulheres têm contribuído para a melhoria da sociedade. Com a premissa de reconhecer a contribuição e destaque das mulheres pernambucanas em suas áreas de atuação profissional, o Shopping Tacaruna realiza o tradicional Prêmio Tacaruna Mulher, que este ano completa 20 edições realizadas e a marca de 206 mulheres homenageadas. A solenidade de entrega da premiação acontecerá na noite de 04 de março (quarta-feira), às 19h, no rooftop do mall. “Para o Shopping Tacaruna, o Prêmio Tacaruna Mulher é uma grande realização. Reconhecer esses talentos é retratar as mulheres em geral. Ficamos felizes em conhecer e apresentar histórias tão inspiradoras como as das homenageadas”, destaca a gerente de marketing Yolanda Celeste.

De acordo com Yolanda, cerca de 20 anos atrás, os eventos que exaltavam a mulher eram focados em temas como bem estar, beleza e ações relacionadas ao lar. “O enfoque na mulher profissional que através do seu trabalho vem contribuindo com uma sociedade melhor através de diversas áreas de atuação era pouco expressivo”, lembra. “O Prêmio Tacaruna Mulher conquistou um grande reconhecimento da sociedade pernambucana pela credibilidade das próprias homenageadas que com suas atuações legitimam a escolha das comissões que indicam e elegem as personalidades femininas”, afirma.

O Prêmio se consolida ainda mais a cada ano. “Isso porque as homenageadas são pessoas que realmente tem uma atuação representativa na sociedade. Elas recebem o troféu, mas, representam tantas outras mulheres que em suas jornadas dignificam e melhoram não só a sua família, mas, a sociedade como um todo através da sua força de trabalho e também um olhar apurado para o ser humano”, completa Yolanda Celeste.

O Prêmio Tacaruna Mulher 2020 presta homenagem a nove mulheres nas respectivas categorias profissionais: Daniela Rorato (Ação Social), Clarissa Goes (Comunicação), Educação (Rosa Amélia Muniz), Mércia Moura (Moda), Daniela Petribu (Política, Economia e Negócios), Lia de Itamaracá (Cultura), Mariana Russo (Design, Arquitetura e Decoração), Regina Coeli (Medicina e Saúde) e Christiana Caribé Costa Pinto (Atividades Jurídicas).

Cada personalidade feminina homenageada receberá o Troféu Feminilidade, criado pela artista plástica Margot Monteiro, que esteve entre as homenageadas do prêmio em 2004. A premiação também realiza uma exposição com foto e biografia de cada homenageada, que ficará em cartaz, de 05 a 12 de março, no próprio Tacaruna. Para as fotos da exposição, as mulheres foram produzidas pelo visagista Laércio Az e clicadas pelo fotógrafo Renato Filho. Os textos biográficos foram feitos pela jornalista Thayanne Sales.

Prêmio Tacaruna Mulher 2020 – Homenageadas:

1.Categoria Atividades Jurídicas – Christiana Caribé Costa Pinto

Desde a adolescência, a Juíza Titular da Vara da Infância e Juventude do Jaboatão dos Guararapes, Christiana Caribé, percebia seu interesse em ajudar crianças e jovens acolhidos e em situação de mendicância e vivência de rua. Na cidade em que atua, criou o Programa de Apadrinhamento Anjo da Guarda, que já beneficiou mais de cem crianças e adolescentes, promovendo o Direito à convivência familiar e comunitária dos que vivem em Instituições de Acolhimento, proporcionando atividades de reforço escolar, esportes e cursos profissionalizantes, com o objetivo de prepará-los para uma vida autônoma. Por essas e outras atividades, recebeu, em 2018, a Medalha do Mérito Heroínas de Tejucupapo, concedida pela OAB Pernambuco. A comarca sob sua responsabilidade também é reconhecida por bater recordes de produtividade.

2.Categoria Educação – Rosa Amélia Muniz

Rosa Amélia Muniz Emery Carneiro, diretora-presidente do Colégio Santa Maria, em funcionamento desde 1956, é entusiasmada pelo que faz. Há mais de 40 anos trabalhando com educação, ela segue motivada em transformar a sociedade por meio do conhecimento. “O mundo precisa de mentes brilhantes e corações nobres”, cita, enfaticamente. A pedagoga, que assumiu a chefia do Santa Maria como sucessora da tia Maria das Dores, fundadora da instituição, há vinte anos, acredita que a maior missão da família e da escola é cuidar do desenvolvimento dos jovens. Para isso, são dedicados todos os seus dias. “A minha realização é ver o sucesso alcançado pelos alunos”, diz. A maioria dos matriculados, cerca de 80%, são filhos e/ou netos de ex-alunos. O que demonstra a credibilidade do colégio, que está em sua terceira geração.

3.Categoria Comunicação – Clarissa Goes

A jornalista Clarissa Goes, formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), chegou a trabalhar 14h por dia, entre TV e rádio, sempre interessada em ouvir boas histórias e contá-las da melhor forma possível. “Eu sou muito apaixonada pelo meu trabalho. E considero um privilégio poder, através da minha profissão, ouvir e ser ouvida. Me sinto premiada por ter um emprego que dá voz a outras pessoas e a questões importantes”, declara. Clarissa Góes reforça a necessidade do trabalho jornalístico. E considera que cumpre seu papel, porque, além de prestar um serviço com impacto social para muita gente, abre espaço para quebrar tabus, como a ocupação do cargo de âncora na rádio por uma mulher. Ela comandou, por um ano, o CBN Total, da Rádio CBN, onde discutia sobre assuntos de economia, política, etc, para uma audiência ampla e especializada.

4.Categoria Design, Arquitetura e Decoração – Mariana Russo

Mariana Russo alinhou duas faculdades, Arquitetura e Administração, que acabaram se complementando, mais um bocado de simpatia e jeito leve de ver a vida, e, conquistou o que há de mais precioso para muita gente: o sucesso profissional. Filha de um médico e uma economista, ela acredita que escolheu a arquitetura por influência de uma tia. E também porque sempre teve aptidão para desenhar. Formada pela Faculdade Unidas de Pernambuco – FAUPE e especialista em Interiores pela Escuola Art.e na cidade de Florença, Itália, começou a trabalhar ainda enquanto estudava. Abriu o escritório Russo Ventura Arquitetura, junto com a sócia Fernanda Ventura, em 2005, dois anos depois de concluir a graduação, e vai para lá todos os dias, orgulhosa do que faz. Casada, mãe de um casal de filhos e apaixonada pela profissão, a homenageada pelo Prêmio Tacaruna Mulher 2020 se considera feliz e realizada.

5.Categoria Cultura – Lia de Itamaracá

Ao longo de seus 1,82m, a cirandeira Lia de Itamaracá causa impacto não só pelo porte, alto e esguio, mas pelo magnetismo pessoal, que estonteia. Começou a frequentar as rodas de ciranda cedo, mas o reconhecimento artístico demorou a chegar. Mulher, negra e pobre, Lia não encontrou caminhos abertos para a música tão cedo e se viu obrigada a não esperar sustento vindo apenas da arte. Do primeiro LP, gravado em 1977, ela não lembra de ter recebido nada, além de algumas cópias do álbum. Em 1998, viu sua história mudar, depois que se apresentou no festival Abril Pro Rock, no Recife. Daí em diante, sobretudo a partir de 2000, passou a fazer turnês pelo Brasil e exterior, com os shows do primeiro CD, Eu sou Lia. Em 2004, recebeu a medalha de Comendadora do Mérito Cultural do Ministério da Cultura, e, no ano seguinte, foi reconhecida por lei estadual Patrimônio Vivo de Pernambuco.

6.Categoria Ação Social – Daniela Rorato

A empreendedora social Daniela Rorato quer e corre atrás de um mundo melhor e mais justo para todos e instiga pessoas a fazerem o mesmo. O trabalho dela é transformar coisas inacessíveis para pessoas com deficiência em apropriadas e receptivas. Isso vai desde a criação de um espaço adequado em eventos, até a inclusão de profissionais com deficiência no mercado e demais ferramentas, inclusive digitais, que promovam o acesso das pessoas a espaços sociais. A empreendedora trabalhou, por anos, como voluntária em ONGS e chegou a fundar a Amar (Aliança de Mães e Famílias Raras). Foi assessora da Frente Parlamentar em Defesa da Pessoa com Deficiência, da Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE), para desenvolver políticas de atenção a pessoas com deficiência, e contribuiu para o Diagnóstico de Atenção a Pessoa com Deficiência do Estado de Pernambuco, entregue em 2017. Este ano, Daniela lança um livro documental para mostrar a situação vulnerável das genitoras de pessoas com deficiência no Brasil.

7.Categoria Medicina e Saúde – Regina Coeli

Filha única, de pai engenheiro, Regina Coeli encontrou vocação na medicina, apesar de gostar muito de números. Ao pesquisar sobre a área e se deparar com a carência de cuidado das pessoas no Brasil, ela pensou que poderia contribuir para que fosse diferente. Formou-se médica e encontrou verdadeira paixão na pediatria, pois pode ser exercida em vários ambientes. Hoje, Regina é especialista em infectologia pediátrica e coordena o ambulatório de AIDS e microcefalia do Hospital Oswaldo Cruz, onde auxilia crianças e famílias vítimas das enfermidades. Doutoranda do programa de Pós-Graduação de Medicina Tropical na Universidade Federal de Pernambuco, também dá aula na Universidade Católica de Pernambuco e é médica preceptora do Hospital Universitário Oswaldo Cruz no ambulatório de Infectologia/AIDS pediátrico (DIP-Infantil) da Universidade de Pernambuco.

8.Categoria Moda – Mércia Moura

Quem diria que em terras férteis para o plantio da cana-de-açúcar, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, nasceria uma fábrica de roupas femininas, que viriam a ser usadas por mulheres de, pelo menos, quatro continentes do mundo, incluindo princesas e primeiras-damas? Nem mesmo a precursora do negócio apostaria nesse resultado. Quando fundou a confecção MM Special/Marie Mercié no Engenho Pangauá, em Itambé-PE, há 35 anos, Mércia Moura não tinha esse propósito. A empresária era movida pelo desejo de trabalhar, ter autonomia financeira e construir a própria história, se tornando uma mulher independente. A verdade é que o brilho pessoal, a facilidade de sorrir, conversar e criar laços, e a capacidade de articulação e realização a levaram longe. Mércia desafiou a geografia do interior do estado, sacudiu a cultura do patriarcado e mudou não só a vida dela, mas de dezenas de outras mulheres, que se viram livres por meio do próprio emprego.

9.Categoria Política, Economia e Negócios – Daniela Petribú

Graduada em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Daniela Petribú iniciou a carreira no Banorte, como estagiária, depois trainee e gerente de Importação e Exportação. Posteriormente, assumiu os cargos de gerente de Importação na Casa de Alimentos de PE e gerente financeira da Indústria de Rações Balanceadas Carpina (IRCA). Passados dez anos, Daniela recebeu o convite do tio, Jorge Petribú, que estava na presidência da empresa familiar, para ingressar no Grupo Petribú. Topou o desafio, pois sabia que a proposta era fruto de sua competência profissional. Ela, então, assumiu o departamento financeiro da empresa e foi agregando outras gestões até se tornar Gerente Administrativa. No ano de 2014, após a decisão do tio em se dedicar ao Conselho Administrativo, Daniela Petribú foi nomeada presidente do Grupo Petribú, tornando-se a primeira mulher a assumir esse cargo em uma usina no Nordeste.

 

Compartilhe
%d blogueiros gostam disto: