Pesquisa sobre fotografia, cidade e memória encerra-se com oficina e debate gratuitos

Divulgação

Divulgação

A iniciativa investiga espaços na cidade que se transformaram em farmácias 

O projeto de pesquisa em fotografia Recife, memória inventada encerra-se agora em novembro, com a realização de uma oficina de criação fotográfica e a apresentação de um debate, ambos gratuitos. Idealizada por Marcela Lins e Guilherme Benzaquen e orientada por Ana Lira, a pesquisa teve incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio dos recursos do Funcultura, e se debruçou sobre questões concernentes à cidade, ao patrimônio e à memória. Por mais de um ano, a equipe buscou refletir sobre a constituição de uma memória coletiva a partir das rápidas transformações do espaço construído. Neste processo, as inúmeras e frequentes farmácias foram compreendidas como imagens-síntese de uma paisagem em mudança.

Como culminância do projeto, a equipe realizará um debate aberto, intitulado A imagem e as políticas de apagamento na cidade, dia 25 de novembro (quarta-feira), às 19h, na página de YouTube da pesquisa. Na conversa, os pesquisadores e a orientadora apresentarão as questões que conduziram o Recife, memória inventada, como as políticas de apagamento e as desigualdades constituintes da paisagem a partir da perspectiva da produção de imagem. Além disso, a equipe lançará uma publicação gratuita, derivada do processo.

Outra ação que está prevista é a realização de uma oficina gratuita intitulada Cidade e memória: oficina de criação, que acontece de 28 de novembro a 5 de dezembro. Ofertada de modo remoto, a ação visa fornecer ferramentas e repertórios visuais para a criação fotográfica a partir das questões urbanas. Durante oito dias, os participantes serão incentivados à produção de narrativas fotográficas em um ambiente de trocas. A oficina será realizada na plataforma Google Classroom, para os momentos assíncronos, e no aplicativo Zoom, para momentos síncronos. Todas as ações – debate e oficina – contarão com recursos de acessibilidade para a comunidade de surdos e ensurdecidos. As inscrições seguem até dia 20 de novembro.

Marcela Lins e Guilherme Benzaquen são uma dupla de artistas que vive e trabalha em Recife. Marcela é artista e mestre em Comunicação pela UFPE. Guilherme é artista e doutor em sociologia pela UFPE. Ambos tem desenvolvido projetos artísticos conjuntamente nos últimos anos, participando de exposições coletivas e individuais. Suas pesquisas têm debatido temas relativos à história e à memória. Atualmente também desenvolvem o projeto de residência Jogo da Memória, sobre processos de resistência na Zona da Mata pernambucana no final da década de 1970, pela Fundação Joaquim Nabuco.

Ana Lira é artista visual, fotógrafa, curadora, radio host, escritora e editora baseada em Recife. É especialista em teoria e crítica de cultura, observa a (in)visibilidade como forma de poder e dedica atenção à dinâmicas envolvendo sensibilidades cotidianas. Sua prática é baseada em processos coletivos e parcerias, tendo trabalhado com eles por mais de duas décadas.

Serviço

Debate A imagem e as políticas de apagamento na cidade, com Marcela Lins, Guilherme Benzaquen e Ana Lira lançamento de publicação


Quando: 25 de novembro de 2020, às 19h


Onde: www.instagram.com/memoriainventada

Cidade e memória: oficina de criação fotográfica, com Marcela Lins e Guilherme Benzaquen


Quando: 28 de novembro até 5 de dezembro de 2020


Inscrições até 20 de novembro de 2020


Formulário para inscrição: forms.gle/4XRzP33Z53AKzXbQ9

Compartilhe
%d blogueiros gostam disto: