instituicoes-de-varios-segmentos-integram-as-comissoes-de-analise-dos-editais-da-lei-aldir-blanc

Instituições de vários segmentos integram as comissões de análise dos editais da Lei Aldir Blanc

Ao todo, 73 profissionais fazem parte das comissões que avaliam as propostas inscritas nos sete editais promovidos pela Secult-PE

Postado em:

Lei Aldir Blanc

aldir-blanc-pernambuco

Um grande time foi montado pela Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) para avaliar o volume de propostas inscritas nos sete editais promovidos pela Secult-PE com recursos da Lei Aldir Blanc. Ao todo, 73 profissionais de várias instituições pernambucanas fazem parte das comissões que estão analisando os cerca de três mil projetos cadastrados no Mapa Cultural de Pernambuco (www.mapacultural.pe.gov.br), seguindo as diretrizes previstas em cada edital (Clique aqui e saiba mais sobre cada um deles). A previsão é que o resultado final das propostas habilitadas seja publicado até o início de dezembro deste ano.

A articulação destas comissões de análise conta com a parceria das Secretarias Estaduais de Educação e Esportes (SEE-PE), Trabalho, Emprego e Qualificação (STEG-PE) e Ciência, Tecnologia e Inovação, além da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), Universidade de Pernambuco (UPE), Serviço Social do Comércio de Pernambuco (Sesc-PE), e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Iphan-PE).

Desde a fase das suas elaborações e por conta das suas especificidades, os editais foram divididos em dois núcleos: “Criação, Fruição e Difusão”; “Formação e Pesquisa”; “Prêmio Sustentabilidade dos Circos Itinerantes”, “Festivais”, e “Prêmio de Salvaguarda e Registro Audiovisual de Saberes Tradicionais e da Cultura Popular” ficaram sob responsabilidade da Gerência de Políticas Culturais (GPC) da Secult-PE.

Já os editais “Propostas Artísticas e Culturais do Arquipélago de Fernando de Noronha” e “Aquisição e Bens e Contratação de Serviços Culturais” com a Gerência de Territorialidade e Equipamentos Culturais (GTEC) da Secult-PE.

Priscilla Marques, gestora da GTEC na Secretaria de Cultura de Pernambuco, explica que “as comissões dos editais da GTEC contam com representantes da STEQ-PE, professores da UPE e funcionários do Sesc-PE, além da própria equipe da Secult-PE, nestas comissões de análise”, explica a gestora.

“Fizemos um formulário compartilhado para as comissões analisarem individualmente os projetos e estamos numa fase de compreensão dos objetivos de cada proposta. Depois teremos a fase de negociação, para em seguida anunciarmos o resultado das habilitadas a receber o pagamento. Nestes dois editais pedimos a documentação antes, e contamos também com uma equipe para fazer a checagem dos documentos”, ressalta Priscilla Marques.

No edital voltado para Fernando de Noronha, são três pessoas na comissão de análise, enquanto que no “Aquisição e Bens e Contratação de Serviços Culturais”, pela grande demanda, são 19 profissionais envolvidos.

Lêda Dias, gestora da GPC na Secult-PE e responsável pelos outros cinco editais, conta com uma equipe e um processo de trabalho diferenciado. “Temos integrantes da Secult-PE, Fundarpe, Sesc PE, Iphan-PE, SEE-PE e SECTI-PE, através da Empresa Pernambucana de Comunicação (EPC/TVPE). Outra característica é que cada comissão tem um coordenador, que é integrante da Gerência de Política Cultural e participou da construção do edital”, conta a gestora.

“Temos o apoio de uma equipe de sistematizadores pra que a gente dê conta do ranqueamento, levando em consideração os percentuais de regionalização e indutores de políticas sociais e segmentos de linguagem. Para isso, foi preciso construir uma planilha com fórmulas que fossem capazes de fazer esse posicionamento de dados”, revela Lêda Dias.

Cada proposta vai receber pelo menos duas pontuações, e será avaliada por dois analistas. No ranqueamento final será feito o cruzamento com as pontuações obedecendo as diretrizes de regionalização

No edital “Criação, Fruição e Difusão” são 23 analistas envolvidos. No “Formação e Pesquisa“, 13; No “Festivais”, cinco; no “Salvaguarda e Registro Audiovisual”, no Eixo I, sete analistas, e no Eixo II três.  Já o “Sustentabilidade de Circos Itinerantes” conta com três analistas.

Os sete editais promovidos pela Secretaria de Cultura de Pernambuco com recursos da Lei Aldir Blanc contam com R$ 22,3 milhões em investimentos. Para mais informações sobre a Lei Aldir Blanc em Pernambuco, acesse www.cultura.pe.gov.br/leialdirblanc.

Compartilhe
%d blogueiros gostam disto: