como-aplicar-boas-praticas-e-garantir-a-seguranca-e-produtividade-no-chao-de-fabrica-da-industria

Como aplicar boas práticas e garantir a segurança e produtividade no chão de fábrica da indústria

Na hora de garantir a segurança no chão de fábrica das indústrias, todo cuidado é pouco para não cometer erros. É importante que medidas preventivas sejam adotadas para que todos consigam exercer suas atividades em condições seguras, sem correr riscos. Mas, o que pode ser feito para ajudar o trabalhador a produzir com mais qualidade e motivação, diminuindo as taxas de retrabalho e os acidentes laborais?

Para o Engenheiro de Segurança do Trabalho do SESI-PE Otávio Pires, as empresas devem ter o compromisso de cuidar do trabalhador, zelando sempre pela saúde e segurança, além de seguir as normas regulamentadoras (NRs), disposições complementares ao capítulo V da CLT que são elaboradas pelo Ministério do Trabalho. “É importante levar a segurança a sério para não colocar em risco a vida do trabalhador e a saúde financeira da empresa, já que acidentes geram prejuízos para todos os lados”, disse.

Confira abaixo outras dicas sobre como aplicar boas práticas e tornar o ambiente de trabalho mais seguro:

 

  1. Invista em programas de prevenção

 

A prevenção é o melhor método para evitar afastamentos e ônus financeiro. Ela impacta diretamente na produção da indústria e na produtividade dos trabalhadores, que quanto mais saudáveis e seguros estiverem, mais se sentirão dispostos e motivados. “O funcionário deve ser bem informado sobre os riscos aos quais ele está exposto ao executar suas atividades e como preveni-los. Isso ajudará a evitar acidentes que podem acontecer por imprudência. Em Pernambuco, o SESI, por exemplo, disponibiliza programas de Saúde e Segurança do Trabalho para todas as empresas, como o Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA) e o de Prevenção da Perda Auditiva (PPPA)”, alerta Pires.

 

  1. Incentive o uso correto de EPIs

 

Quando o objetivo é reduzir os riscos à saúde e à integridade física do trabalhador, os equipamentos de proteção individual (EPIs) são essenciais. De acordo com a NR-6, as empresas são obrigadas a fornecer ao trabalhador, gratuitamente, equipamentos adequados ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento. Segundo Pires, toda organização deve incentivar o uso correto de cada um a fim de diminuir a probabilidade de lesões e o desenvolvimento de doenças ocupacionais nos trabalhadores. “Os protetores auriculares são muito usados nas atividades industriais, mas a obrigatoriedade de cada EPI depende do segmento da indústria. Para quem trabalha com soldagem, é importante usar máscara de solda, avental de raspa, respirador e óculos de proteção. Já quem atua com almoxarifado deve utilizar bota, luva e capacete”, comentou o engenheiro.

 

  1. Promova treinamentos e capacitações

Uma das formas de fortalecer a cultura de segurança é promover periodicamente treinamentos e capacitações para toda a equipe. “Essa é uma boa maneira de engajar, demonstrar o compromisso da indústria com a segurança e treinar os funcionários para eles conhecerem todos os perigos, os comportamentos seguros e as melhores práticas no ambiente laboral”, contou Pires. Outras dicas são realizar campanhas educativas, produzir materiais didáticos e organizar palestras sobre o tema.

 

  1. Análise os riscos

Identificar, monitorar e sinalizar as áreas com riscos em potencial também podem ajudar as indústrias a garantirem mais segurança. Até atitudes simples podem fazer a diferença, como sinalizar que uma área está com o chão molhado para evitar escorregões. “Visando apoiar as indústrias nessa questão e avaliar qualitativa e quantitativamente os agentes de riscos existentes no ambiente de trabalho, o SESI oferece o Programa de Gerenciamento de Risco, além de laudos técnicos de condições ambientais de trabalho, insalubridade e periculosidade, entre outros”, comentou.

 

  1. Crie uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

 

Para facilitar a comunicação entre toda a força de trabalho, Pires indica criar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Formada por representantes que são indicados pelos empregadores e eleitos pelos trabalhadores, a CIPA é a responsável por prevenir acidentes e doenças de trabalho, por meio da observação de riscos. “É importantíssimo ter uma CIPA na indústria para observar e relatar as condições de riscos do chão de fábrica, debater quais melhorias podem ser feitas, criar ações preventivas e capacitar os trabalhadores no quesito segurança”, pontuou. Quem desejar aumentar o entendimento sobre o assunto, pode se inscrever nos cursos CIPA oferecidos pelo SESI-PE. Mais informações pelo número 0800 600 9606 ou e-mail comercial@sistemafiepe.org.br

Fonte: Sistema FIEPE

Foto: Divulgação

Compartilhe
%d blogueiros gostam disto: