agrestina-aguarda-que-colegiado-do-tse-decida-destino-de-prefeito-e-vice

Agrestina aguarda que colegiado do TSE decida destino de prefeito e vice

Às vésperas da campanha eleitoral para as eleições municipais de novembro, a cidade de Agrestina pode trocar de prefeito antes do tempo. Tudo depende do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE), que tem em mãos um recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE), que pede o afastamento do prefeito, Thiago Nunes (MDB) e o vice, Zito da Barra (PTB). Eles chegaram a deixar o cargo, por decisão do TRE, em junho, mas, um mês depois, por efeito de liminar emitida pelo TSE, conseguiram regressar aos cargos.

Thiago e Zito tiveram os mandatos cassados por decisão do TRE-PE. Os gestores são apontados pelo tribunal e pelo MP como autores de abuso de poder político. A oposição municipal afirma que o próprio Ministério Público, após a decisão do TSE, entrou com recurso contra a recondução do prefeito e do vice aos cargos.

“A oposição tá atenta fazendo denúncias contra esse descalabro administrativo aqui na cidade, mas a gente é minoria”, disse Paulo Sargento (DEM), vereador de Agrestina e pré-candidato a vice da cidade na chapa da ex-prefeita Carmem Míriam (DEM). “A eleição indireta estava marcada para o dia 10 de julho, mas o prefeito em exercício não fez nada. Vários partidos entraram com impugnação contra a eleição direta, também, protelando o processo”, lamentou Paulo.

Segundo a oposição, o julgamento do mérito da liminar que reconduziu Thiago e Zito aos cargos ainda não tem data definida para ocorrer. “Semana passada começaram a julgar, mas adiaram. Estamos aguardando a nova data. É importante dizer que o prefeito voltou não foi por conta do processo no TSE sobre o abuso de poder, mas por uma resolução motivada pela pandemia de Covid-19, que reconduziu os gestores aos cargos”, afirmou Paulo Sargento.

Thiago Nunes está na gestão de Agrestina há pelo menos 10 anos. Ele foi vice-prefeito de Carmem Miriam, que na época estava no PSB, de 2009 a 2012. Em seguida, foi eleito prefeito e, no ano de 2016, reeleito. Em suas redes, ele e o vice, Zito da Barra, não mencionam o processo pelo qual passaram. “Amanhã, estaremos de volta para darmos continuidade aos trabalhos em Agrestina”, publicou Thiago em seu Facebook, no dia 9 de junho. Zito se limitou a publicar um link de um blog, anunciando a decisão favorável a eles do TSE. Ambos, prefeito e vice, preferem dar publicidade às obras da Prefeitura de Agrestina e das medidas tomadas para lidar com a pandemia de Covid-19. Zito da Barra, em junho, lançou pré-candidatura a vereador pelo PTB.

Compartilhe
%d blogueiros gostam disto: